Medeia: 1 Verbo

Teatro
Galpão do Folias
05/09/14 a 30/11/14 -
R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)

Espetáculo do Grupo Folias, faz uma adaptação da tragédia grega de Eurípides e põe Medeia atrás das grades

Escrita pelo dramaturgo grego Eurípides por volta do ano 430 A.C., a tragédia Medeia atravessou os séculos sem jamais perder uma fração do seu fascínio e da sua inigualável capacidade de produzir assombro. A história damulher que mata os dois filhos com as próprias mãos como forma de se vingar do marido que a abandonara, extrapolou há muito os limites do teatro para se estabelecer como um símbolo de repulsa e espanto no imaginárioda sociedade ocidental.

É sobre esta mulher, provavelmente a mais notória personagem feminina da dramaturgia mundial, que o Grupo Folias volta os olhos em seu mais recente trabalho, Medeia: 1 Verbo, que estreia no dia cinco de setembro, sexta-feira no galpão da companhia. O espetáculo marca o retorno do diretor Marco Antonio Rodrigues ao grupo, depois de um hiato de quatro anos.

A peça Medeia:1 Verbo, de autoria do dramaturgo Sérgio Roveri, que este ano recebeu sua terceira indicação ao Prêmio Shell de melhor autor, não é apenas uma releitura do texto clássico: é uma adaptação radical que criou um novo contexto e uma nova época para o desenrolar da história. A montagem transporta os personagens principaisda tragédia original para um tempo muito mais semelhante ao nosso do que ao vivido pelos antigos gregos. A ação é ambientada em um presídio feminino para onde Medeia (Nani de Oliveira) é conduzida sob a acusação deter matado os dois filhos. Neste cenário hostil, ela tem de enfrentar sozinha a gravidade das acusações feitas por Creonte (Dagoberto Feliz), um misto de tirano e empreendedor, pelo ex-marido Jasão (Zé Geraldo Jr.), marinheiro ambicioso que a trocou por Glauce (Ana Nero), filha de Creonte, e por um coro de prisioneiras representado por quatro atores (Rafa Penteado, Juliana Grave, Fábio Joaquim do Vale e Ana Nero). Há, ainda, a circular pelo presídio, a presença inesperada do próprio Eurípides (Gabriel Esteves de Castro), resgatado do passado para reescrever a tragédia que o imortalizou.

Ao contrário do que ocorre na tragédia original, nesta encenação Medeia é contemplada com o benefício dadúvida: os filhos, que surgem nas cenas de flashback produzidas por sua consciência alterada, estão desaparecidos, mas não existem provas de que ela realmente os tenha assassinado. A personagem agarra-se à tese de que uma sociedade violenta e insana pode ter representado para as crianças um perigo muito mais real do que suas ameaças de mulher vingativa e com o orgulho ferido.

Foto por: DIVULGAÇÃO
Galpão do Folias Possui acesso à deficientes Cidade: São Paulo - SP Preço: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia) Endereço: Rua Ana Cintra, 213 - Santa Cecília

Datas: 5 setembro até 30 de novembro de 2014
Horários: Sextas e sábados, às 21h e domingo, às 20h.
Classificação: 14 anos

 


TAGS: