Mostra Fomento ao Teatro - 10 anos

Teatro
São Paulo
21/11/12 a 24/11/12 -
Grátis

Mostra Fomento ao Teatro - 10 anos, fomento muda o teatro e o teatro muda o panorama cultural da cidade.

São quase 100 espetáculos e performances de teatro, de 95 grupos e coletivos (fomentados e não-fomentados), em 41 espaços da cidade. As apresentações, muitas, serão no meio do povo, na rua, no centro da capital e também em bairros da periferia.

Escadaria da Sé, Sacolão das Artes, zona leste, sul, todos os pontos cardeais serão atingidos. Para comemorar os dez anos do Programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, o Movimento de Teatro de Grupo dá um presente para a cidade e realiza a Mostra Fomento ao Teatro - 10 anos, nos dias 21, 22, 23 e 24 de novembro de 2012. E o melhor, é tudo de graça!

Dia 21 de novembro de 2012

Cortejo da Mostra Fomento ao Teatro - 10 anos
Início na Rua Ana Cintra, término na Praça Dom José Gaspar, a partir das 10h, Livre
Um grande cortejo com bonecões, banda, cartazes e bandeiras partirá do Galpão do Folias, na Rua Ana Cintra, segue em direção à Galeria Olido e termina na Praça Dom José Gaspar.


Espetáculos

Companhia Auto-Retrato - Origem Destino
Escadaria da Sé, às 12h, Livre, 170 min
Origem Destino é um espetáculo que ocorre pela cidade, utilizando-a como principal estrutura cênica e dramatúrgica. A Origem acontece na Praça da Sé, em frente à Catedral, pontualmente ao meio-dia; o trajeto, contra fluxo, segue o leito dos rios; e o Destino é a própria cidade, a partir do desejo de chegar a Santo Amaro.

Cia Os Itinerantes - Latifúndio (Intervenção)
Praça Dom José Gaspar, às 14h, livre, 20 minutos
Expulsos por coronéis das terras onde moravam, um casal de retirantes chega á cidade de São Paulo para tentar a sorte. Mas seu destino acaba sendo a frieza das ruas da capital. Sem onde morar, eles pedem ajuda aos transeuntes, contam sobre a vida que deixaram para trás e das dificuldades que estão passando.

Núcleo Bartolomeu de Depoimentos - ZAP! Zona Autônoma da Palavra (Intervenção)
Praça Dom José Gaspar, s/n, às 16h, Livre, 120 min
ZAP! Zona Autônoma da Palavra é a primeira noite de "Poetry Slam" (batalha de poesia) do Brasil. É um espaço dedicado à poesia falada, ágora livre, fresta no tempo onde a diversidade é convidada de honra e a celebração da palavra o principal objetivo. Essa edição acontecerá na rua, em meio à polifônica e barulhenta São Paulo. Na primeira parte, (16 horas) acontece o “Microfone Aberto”, onde podem ser declamadas (ou lidas) poesias e textos tanto autorais como de outros autores. Às 17 horas começa a batalha, o Slam.

Grupo Pombas Urbanas - Todo Mundo tem um sonho
ANESP, às 16h, 50 min, Livre
O espetáculo resgata as origens do circo-teatro no Brasil e recria o universo das antigas e populares companhias de circo mambembe numa linguagem interativa e envolvente. Nos sonhos do Mago Alfredo, desde que se conhece por mago, está a formação de uma companhia de circo, mesmo sem saber onde estariam os membros. Em suas andanças, viu nascer uma linda menina cigana que muito cedo perdeu a mãe. Perto do nascimento também viu um menino lavrador que, olhando as flores silvestres, sonhava em aprender a desaparecer. Desde esse momento estalou na cabeça do Mago a concretização do seu sonho: a formação da grande Companhia Circo Místico.

Lolla Cia Teatral - Fiel a quem me trai
Espaço Redimunho, às 17h, 16 anos, 40 min
Fiel a quem me trai é uma instalação encenada INSPIRADA no universo feminino de Nelson Rodrigues. Com uma narrativa não linear e apresentada em espaços de representação alternativos e fechados, as personagens são apresentadas em diferentes ordens e por meio do jogo entre as atrizes.
É proposto ao público um espaço de experimentação em que se permite vivenciar a atmosfera das personagens sendo possível explorar diversas percepções sensoriais e permitindo um mergulho no universo proposto que se baseia nas temáticas de religião, família, luto, loucura, entre outros.
Com isso, “Fiel a quem me trai” busca a inserção do público como coautor e agente transformador da obra.

Cia Humbalada - Tudo está organizado para que nada aconteça
Galpão do Folias, às 18h, 50 min, Livre
Três coveiros em busca de corpos na rua. O corpo sumiu, mas caminham todos os dias nas ruas e nas calçadas. Eles precisam dos pedaços para compor uma sobrevida. Por meio da pesquisa do bufão e do corpo cômico, a Cia. Humbalada apresenta seu experimento cênico criado a partir dos estudos das principais avenidas do Grajaú e da condição do ator marginal.

Cia Fragmentos Teatrais - Poesia da Palavra
Sacolão das Artes, às 18h, 35 min, Livre
Espetáculo para todos os amantes da Poesia. Para todos aqueles que anseiam que a poesia seja dita, falada de forma simples!
Entre cantos e ritmos, os atores e músicos nos convidam a adentrar na sonoridade genuína de cada palavra para fazer ressoar a síntese da complexidade que há em todas as coisas que a poesia toca.

Teatro Curupira - A-5087
Teatro Studio 184, às 20h, 50 min, 14 anos
A-5087 conta a vida de uma atriz anã judia que sobreviveu a Auschwitz. O texto narra o drama real, vivido por uma família judia de anões artistas capturados por nazistas na Segunda Guerra Mundial. Após serem levados para o campo de Auschwitz, a família se transformou em cobaia de Josef Mengele, e conseguiu sobreviver ao Holocausto. Baseado numa história real.

Metamorfaces Teatro de Mímica e Bonecos - Clow show
Espaço Redimunho, às 20h, 75 min, Livre
Clow Show é um espetáculo que mescla técnicas de mímica e marionetes. O personagem principal da história conta para o público, através da mímica, sua vida nos picadeiros do circo, acompanhado da sua inseparável mala, a qual se encontra cheia de surpresas e brincadeiras.

Cia Monalisa de Teatro - Sangue Seco
Espaço Maquinaria, às 20h, 50 min, 12 anos
Uma mulher fascinada pela figura da Noiva tem o estranho hábito de assistir a casamentos de desconhecidos. Ao lembrar momentos marcantes de sua história, ela compartilha com o público suas experiências de prazer, solidão e encantamento com a vida.

Teatro da Travessia - Dias Raros
Sacolão das Artes, às 20h, 14 anos, 60 min
Quatro histórias dos livros Dias Raros e Duas Tardes, escritos pelo autor paulista. Ambientada em um antigo casarão, a montagem apresenta a delicada relação de vários personagens.

Roda de Conversa 10 anos do Programa de Fomento ao Teatro – Papo com sopa, petiscos e outros
Galpão do Folias, 22h, 120 min, Livre
E o que foi feito
É preciso conhecer
Para melhor prosseguir
(Milton Nascimento e Fernando Brant)

Os grupos de teatro da cidade de São Paulo convidam para um bate-papo aberto sobre suas experiências de criação e produção ao longo dos dez anos de existência da Lei de Fomento. A partir de um balanço do período, iremos discutir caminhos (horizontes) que o movimento de teatro de grupo pode traçar daqui para frente com respeito à lei.


Dia 22 de novembro

Cia do Miolo - Taiô
Pça da República, às 11h, 50 min, Livre
Música e poesia se encontram para ressoar a voz de um povo-pombo cansado de migalhas no chão e que descobre suas asas para tentar alçar longos vôos. O espetáculo inicia-se com cenas quânticas em que as figuras/atores dirigem-se a uma pessoa ou a pequenos grupos e ali dialogam, apresentam suas questões, convidam o espectador. Voar como pipas, que desbicam ao sabor do vento e que, mesmo “taiados”, resurgem novos e coloridos neste imenso lençol azul que é o céu. Homem, bicho, criança, mulher, passarinho, juntados de pedaços, caminham em busca do sol.

Grupo Redimunho de Investigação Teatral - Cortejo da Memória (Ônibus Biblioteca)
Parque Peruche, 14h, 50 min, Livre
O cortejo mostra a trajetória de uma trupe mambembe que, na sina de trocar sua arte por pouso e comida, percorre os “Brasis”, deixando, por onde passa o rastro das histórias de cada lugar. Um palco de proximidades, no qual as janelas podem ser abertas ou fechadas, e o que ali acontece pertence ao nosso tempo particular, ao nosso infinito íntimo.

Circo Navegador - Om Co tô? Quem co sô? Prom co vô?
Largo do Paissandu, às 14h, Livre, 55 min
Num encontro inusitado o palhaço Surubim encanta a plateia com sua ingenuidade em situações de tensão, emoção, técnica e muita graça. De maneira bastante irreverente, este personagem provoca o público para uma vivência divertida e “descompromissada”, por meio das rotinas de um show circense, misturando cenas clássicas e criações próprias, equilibrando-se entre o deboche e a elegância. Os recursos utilizados no espetáculo são o “velho e bom” jogo de Palhaço, aliado às habilidades como Malabarismo, Mágica Cômica e Pirofagia.

Cia Lya Tunde de Teatro - Eram os Orixás Humanos?
Praça da República às 14h, 60 min, Livre
Contos Africanos, interpretados com textos e músicas de fácil compreensão, que materializam sentimentos tais como compaixão, irá, generosidade, ciúme e de amor. Como os humanos... Seriam os Orixás humanos?

Ventoforte - Apresentação e cortejo de folguedos e cantorias
Espaço Ventoforte, às 16h, Livre, 90 min
Uma festa colorida e dançante onde o grupo reproduz a guerra, a escravatura, o abate do boi, a guerra entre louros e mouros, que na verdade é o próprio homem dividido no mundo e dentro de si. O mouro é o outro. O novo que chega de terras distantes, é Dioniso. Músicos do Ventoforte, artistas do Cupuaçú (grupo de danças populares), Ilo e atores ensinam, ao mesmo tempo, passos do Bumba meu Boi, a fazer estandartes coloridos e até cavalos alegóricos. Os músicos acompanham a feitura dos estandartes. Depois de tudo pronto, saem pelo espaço do Ventoforte, e até pelas ruas, em cortejo dançante. É a celebração da cultura popular, da cultura que está nas ruas, nos parques, nos presídios e no campo.

Núcleo Cênico Projeto BaZar - A Menina Que Foi Arquivada
Praça da República, às 16h, 50 min, Livre
A partir de uma pesquisa desenvolvida no Arquivo Miroel Silveira - USP- que contém processos de censura ao teatro paulista – a peça narra a história de uma menina, fruto de um aborto mal sucedido. Durante sua trajetória de vida, esta menina encontra com personagens históricos e censurados de Nelson Rodrigues, Guarnieri e Chico de Assis, que a levam a ficar entre a cruz e a bandeira, entre a educação moral cristã e as ideias revolucionárias.

Clã Estúdio das Artes Cômicas - Água
Arsenal da Esperança, às 17h, 60 min, Livre
Uma trupe de palhaços acaba “entrando pelo cano” ao desperdiçar o tão valioso líquido incolor, inodoro e insípido! A partir daí, passam pelas mais incríveis aventuras marinhas e ribeirinhas no “psicadeiro” (piscina+ picadeiro). Por meio de uma linguagem que mistura pantomima, circo e teatro, o espetáculo faz uma homenagem aos circos “panos de roda”, os famosos “tomara que não chova”.

Cia Rodamoinho - Homem Banda e Mulher Sanfona (Intervenção)
Praça da República, às 17h, 30 min, Livre
Dois artistas percorrem o espaço com música e poesia. Surpreendem o público presente com as traquitanas do homem-banda que toca tambor e chimbal através de cordões comandados pelos pés e presenteiam as pessoas com textos poéticos. Convidam ainda o público a brincar de improvisar com rimas a partir de cantigas tradicionais, dançar e tocar com os artistas e seus adereços como baquetas, pequenos instrumentos sonoros e sombrinha.

Invasores Cia Experimental de Teatro Negro - O Velho Griot (Intervenção)
Espaço Redimunho, às 18h
O Velho Griot é inspirado no velho de restelo e compõe a releitura “Pedaços de Mim” criada por Dirce Thomaz, da obra “Os Lusíadas", de Luís de Camões. O velho de Restelo surge como um vidente, um sábio da era contemporânea.

Kiwi Cia de Teatro – Internacional (Intervenção)
Espaço Pyndorama, às 18h, 12 anos, 25 min
A cena experimental INTERNACIONAL, criada a partir do texto Condomínio, de Luis Fernando Veríssimo, foi concebida para discutir este conjunto de questões. Ela é apresentada preferencialmente em parceria com movimentos sociais, comitês e outros coletivos que investigam e denunciam a ditadura militar brasileira (1964-1985), e que lutam pela verdade, memória e justiça.

Filipe Meira (Portugal) -!Escuta!
Espaço Redimunho, às 19h

OPOVOEMPÉ - Aqui Dentro Aqui Fora
Oficinal Cultural Oswald de Andrade, às 20h, 60 min, 12 anos
O espetáculo propõe uma reflexão sobre os limites entre a dor do eu e a dor do mundo. Questiona noções de felicidade e possibilidades de ação no mundo contemporâneo. Vislumbra a potência criadora das plateias teatrais. Parte de uma prática de interação não invasiva e não impositiva, um convite sutil, onde a participação do público se faz por suas próprias escolhas.
Rompe convenções do drama. Cria narrativas onde espaços servem à concretização sutil de uma experiência que envolve público e atores.

Cia Ocamorana - Ruptura – Ascensão (Mostra de processo)
Arsenal da Esperança, às 20h, 14 anos
Em Ascensão fecha-se o foco sobre o período de mobilização das massas no Brasil em fins da década de 1970 e início de 1980, e discutiremos a importância de movimentos e forças políticas empenhadas na transformação do país, e que desapareceram com a abertura à democracia.

Off Off Broadway Coletivo de Teatro - Boca de Ouro
Teatro Studio 184, às 20h, 90 min, 14 anos
Boca de ouro, bicheiro carioca, temido e respeitado por onde passa. Após sua morte o jornalista Caveirinha fica encarregado de fazer uma reportagem sobre a vida do bicheiro. Entre falas e falas de Dona Guigui, ex-amante de Boca de Ouro, descobrimos a história de Celeste, uma garota sonhadora que almeja uma vida de luxo e de seu marido Leleco, um eterno menino apaixonado.
Uma releitura do texto original de Nelson Rodrigues, na concepção do grupo Off Off Broadway Coletivo de Teatro em homenagem ao centenário do dramaturgo.

Cia do Tijolo - Cante lá que canto cá
Galpão do Folias, às 20h, 60 min, Livre
O espetáculo fala de Mané Besta, que perdeu seu grande amor porque não conseguiu enxergar seus olhos; das mãos calejadas e das mãos preguiçosas de vergonha alheia; da cabeça que pensa onde os pés pisam; das reflexões do poeta e da arte de versejar; do coração que segue caminhos enviesados; do homem que tem por natureza os caminhos migrantes e por fim dos festejos poéticos dessa pátria chamada sertão, onde a palavra cantada, contada e encantada tornam-se a atmosfera principal de um encontro entre atores e público. Proporcionando aos espectadores "um pouco de saúde, um descanso na loucura", como diria Guimarães Rosa.

Cia do Feijão - Mostra de processo, seguido de debate
Espaço da Cia do Feijão, às 20h, 60 min, 12 anos
Exercícios cênicos sobre materiais diversos, com roteiro em desenvolvimento, tendo como base de estudo a vida e as obras de Mário de Andrade, inclusive as inacabadas e terminais, com a interferência de outros estímulos literários, plásticos, musicais e cinematográficos.

Estudo de Cena - A Farsa da Justiça Burguesa
Espaço Pyndorama, às 20h30, 50 min, 12 anos
Nessa comédia trágica um tribunal é armado. Na sessão do dia 22/11/2012 o sobrevivente de uma chacina, que se fingiu de morto para garantir a vida, é julgado e condenado por falta de heroísmo e por forjar a morte para garantir a vida. Os ricos advertem: seja herói!

Cia Fábrica São Paulo - (entre)MUROS
NPC Fábrica, às 20h30
O projeto (entre)MUROS teve início em 2011 quando nos debruçamos sobre um tema que nos capturava como artistas e como seres urbanos, habitantes dessa grande metrópole: o isolamento urbano que emerge como resposta à barbárie imposta por uma sociedade controlada pelo capital.

Pinho de Riga - Estrelas do Orinoco
Espaço Pinho de Riga, às 21h, 60 min, 14 anos
Duas atrizes de segunda classe a bordo de uma embarcação sem comando pode ser símbolo de uma de nossas facetas latinas. No enredo, duas mulheres sozinhas em um dos maiores rios da Bacia Amazônica criam seu cotidiano de fantasias que lhes dá força e condições para viver a desgraça real e concreta de estar à deriva.

Cia Provisório-Definitivo - As estrelas cadentes do meu céu são feitas de bombas do inimigo
Sala Provisório-Definitivo, às 21h, 70 min, 16 anos
Baseado nos livros Vozes roubadas - Diários de guerra, organizado por Zlata Filipovic e Melanie Challenger e o Diário de Anne Frank, o espetáculo faz uma espécie de Peça- Documentário inspirada nos relatos das impressões de jovens em diferentes situações de guerra ao longo do conflituoso século XX e do começo do século XXI.

Anjo Corporation - Experimento.aberto
Espaço Paidéia, às 21h, 25 min, 14 anos
O Homem é uma ilha? Um corpo cercado por estranhos de todos os lados ou um corpo real cercado de corpos virtuais por todos os lados? Dividido em fragmentos poéticos-corporais-sonoros o experimento é um trabalho em processo sobre o homem ilhado nos não-lugares (ônibus, metrô, trens e etc). O experimento. aberto criará um diálogo entre dança, teatro e música.

Cia de Teatro Lá Vem o Rizzo - Quem é a fofinha
Espaço Redimunho, às 21h, 55 min, 12 anos
É a história de Mada Lena, uma mulher fora dos padrões estéticos atuais, que depois de sofrer uma decepção amorosa pela internet, busca auxílio em uma sessão de terapia em grupo. O terapeuta tenta auxiliá-la fazendo com que ela reviva vários episódios de sua vida diária. A partir daí, ela encontra respostas para descobrir, quem de fato ela é.

Cia Balagan - Prometheus
SP Escola de Teatro, às 21h30, 75 min, 14 anos
Em Prometheus – a tragédia do fogo as vozes dos atores-narradores, das personagens do mito e do coro se sobrepõem e se articulam no relato dos diversos eventos que compõem o mito prometéico – a criação do homem, a separação dos deuses e dos homens, do homem e da natureza, dos irmãos Prometeu/Epimeteu, o roubo do fogo, a condenação do titã ao Cáucaso, entre outros.

A Jaca Est - Aguenta mão, João!
Teatro Studio 184, às 22h, 80 min, Livre
Espetáculo musical e performático, baseado na vida e obra do grande poeta, músico, compositor e ator, Adoniran Barbosa, que desde a sua adolescência conviveu com os acontecimentos e transformação da cidade de São Paulo.


Dia 23 de novembro

Baile Popular
Praça Dom José Gaspar, Livre, das 18h ás 22h
A Mostra oferece um baile popular com o Cidade Apolínea, coro cênico de rua, e show de Eric D'Ávila e banda, cantando sambas de gafieira. Haverá também a participação do grupo teatral Parlendas e Cia Lya Tunde.

Cia Casa da Tia Siré - Rua Florada, Sem Saída
Teatro Studio 184, às 10h, 60min, 10 anos
O espetáculo narra a trajetória e o crescimento de quatro crian­ças - Toninho, Lila, Mônica e Lua - em uma perspectiva em que crescer não é só um percurso natural, biológico, mas uma deter­minação da sociedade de consumo.

Cia Les Commediens Tropicales - Ver [] Ter
Oficina Oswald de Andrade, às 13h, 60 min, Livre
Seis atores e dois músicos se embrenham no espaço público para comungar novos olhares com os espectadores (espontâneos ou não) sobre as possibilidades de criar sentidos a partir de velhas histórias e imagens. Convida o público a participar como co-autor de uma história coletiva e própria, ao mesmo tempo, sem passado e com porvir.

Grupo Redimunho de Investigação Teatral - Cortejo da Memória (Ônibus Biblioteca)
Jardim Pedreira, 14h, 50 min, Livre
O cortejo mostra a trajetória de uma trupe mambembe que, na sina de trocar sua arte por pouso e comida, percorre os “Brasis”, deixando, por onde passa o rastro das histórias de cada lugar. Um palco de proximidades, no qual as janelas podem ser abertas ou fechadas, e o que ali acontece pertence ao nosso tempo particular, ao nosso infinito íntimo.

Buraco d'Oráculo - Ser tão Ser
Praça da República, às 15h, 14 anos, 60 min
Construído a partir das histórias dos moradores da região do extremo leste de São Paulo, o grupo leva para a rua uma série de relatos sobre o homem que está fora de seu território, jogado à margem de uma grande cidade, passando por três estágios distintos: a partida, a luta por um pedaço de chão e a construção de conjuntos habitacionais.

Núcleo Pavanelli de Teatro de Rua e Circo - Aqui não, senhor patrão
Praça da República, às 16h
Um casal de trabalhadores passa pelo processo da fabricação de uma bota desde a criação do gado, preparação do couro, até o feitio e venda do produto final. Nessa jornada vão percebendo a desvalorização da força de trabalho em detrimento aos lucros astronômicos obtidos pelos donos dos meios de produção. Ao tomarem consciência, unem-se a outros trabalhadores na luta por uma causa maior.

Núcleo do 184 - Dassanta
Teatro Studio 184, 16h, 50 min, Livre
Olivério conta a disputa de Antenoro e Bragadá pelo amor de Dassanta "pastora de cabras”. Sozinha na vida e por causa de ser tão bonita, não podia ter ninguém. Era seu destino, fazer o que.

Cia O Grito - Tirando um som da garagem
Espaço O Grito, às 16h, 50 min, 12 anos
Cinco adolescentes se unem e descobrem as dificuldades de se montar uma banda - não apenas os problemas típicos de se organizar um grupo musical, mas principalmente aqueles provocados pelo relacionamento entre eles.

Cia Trilhas da Arte Pesquisas Cênicas - Catadióptrico
Estação Caneca - Espaço Cultural Trilhas da Arte, às 16h, 50 min, 14 anos
Por reflexão catadióptrica entende-se a reflexão caracterizada pelo reenvio da luz em direções vizinhas da que a originou.
Habitando recortes no Tempo, quatro atores refletem estados e transitam entre experiências sensoriais, sem uma narrativa linear, privilegiando as sensações provocadas. A Arte é colocada em questão e nosso próprio ofício entra em foco. O que temos a oferecer? Nossa pulsação. Um corpo-dispositivo que brilha, quando a luz de cada espectador incide sobre ele.

Cia dos Inventivos - Bandido é quem anda em bando
Praça da República, às 17h, 60 min, Livre
Em uma das muitas praças da cidade, a normalidade é interrompida pelo protesto de um ativista das redes sociais que, com veemência, denuncia uma chacina ocorrida naquele local na noite anterior. Aponta para o fato de que, ironicamente, um palanque fora montado exatamente no local onde ele, o jovem militante, afirma ter acontecido o assassinato de um grupo de sem-tetos que ali pernoitavam. Logo outros passantes se envolvem na discussão, e descobrem que todos eles, de uma maneira ou de outra, possuiam alguma relação com o crime.

Cia Teatro dos Ventos - O Preço do Feijão
Praça da República, às 18h
A história de o Preço do Feijão começa com três atores tentando encenar uma cena comum, que ocorreria dentro de um supermercado, na qual Gentileza, uma pessoa simples, não consegue comprar um quilo de feijão devido ao preço. De repente, a cena é interrompida e os atores se questionam se aquela história vale a pena ser contada e, por isso, resolvem contar a história da participação dos trabalhadores anarquistas na greve da vidraria Santa Marina. A partir desse momento, as histórias se entrecruzam até o momento final, em que os sonhos e angústias dos antigos trabalhadores grevistas se cruzam com os do Gentileza.

Companhia Cena Livre - Luta mulher poética
Espaço Redimunho , às 18h, 60 min, 14 anos
O espetáculo resgata belos poemas, canções brasileiras e cenas teatrais para falar das mulheres, não apenas como vítimas de uma violência crescente, mas como seres humanos completos e dispostos a lutar por sua emancipação. Não é um espetáculo contra os homens, mas um espetáculo contra a sociedade patriarcal e opressora que trata a mulher como ser inferior, objeto sexual e produto de consumo.

As Meninas do Conto - I Maratona de Contação de Histórias
Casa da História, às 18h, 180 min, Livre
A I Maratona de Contos será um evento de longa duração, possibilitando que o público possa apreciar diferentes estilos e formas de narração de histórias, num evento inédito na cidade de São Paulo. Com a participação do grupo As Meninas do Conto e contadores de histórias convidados. Todos os espaços da Casa da História serão utilizados para as narrações, que acontecerão de forma alternada para troca de público e narradores.

A Digna Companhia – Quase-Memória
Unesp - Teatro Reynuncio Lima, às 20h, 60 min, Livre
A Quase-Memória é apresentada em quadros independentes. São quatro personagens que não dialogam entre si, mas que, unidos pela necessidade de sublimar uma situação limite em suas vidas, expõem suas experiências de maneira simbólica, porém clara.

Cia Fragmentos Teatrais - Sarau Rodriguiano... A vida como ela era
Sacolão das Artes, às 20h, 45 min, 14 anos
Propõe a narração, a dramaticidade e a música popular brasileira como universo cênico para dialogar com a estética literária do escritor Nelson Rodrigues em sua obra, inspirada na vida real, "A vida como ela é...". Contos que expõe o lado tragicômico da vida cotidiana e que incita a uma fácil identificação e consequentemente à reflexão do porquê, fatos e valores do passado, ainda permanecem vivos nos dias atuais.

Grupo PesquisAtores - Nau do Asfalto
Teatro Studio 184, às 20h, 50 min, 16 anos
Dois passageiros navegam no asfalto. Um viaja no delírio desconexo, confuso, hilariante, louco, belo e intrigante, com sua lógica própria. O outro deslizou atracado, durante 18 anos na Ilha Pedroso de Morais, mostrando um discurso forte, firme, político e crítico. Ambos denunciam uma questão humana.

Cia Antropofágica - Terror e Mistério no Novo Mundo - Parte III
Espaço Pyndorama, às 20h
Comandada pelo diretor Thiago Reis Vasconcelos, a peça resgata emoções, comportamentos e relações de poder na época do Brasil Colonial e faz paralelo com o momento atual do país. Depoimentos de pessoas que andam pelo metrô Paraíso foram colhidos e são adicionados durante a apresentação.

Teatro do Incêndio - São Paulo Surrealista 2: A Poesia Feita Espuma
Madame, às 21h, 70 min, 18 anos
Um espetáculo regado pelo humor dos absurdos religiosos e pela poesia seca do submundo da capital. Tudo em um universo onírico que retrata uma cidade possível de ser vista a olhos nus, somente pela visão mística e/ou mítica de suas esquinas e cidadãos.

Grupo Encenação - Taynakan, o que conta historias indígenas
Espaço Redimunho, às 21h, 40 min, Livre
O espetáculo reúne oito mitos e lendas que refletem a consciência da ancestral cultura indígena brasileira: “O Dono do Fogo”, “Paraíso Terrestre”, “O Primeiro Homem”, “A Conquista do Dia”, “Cataratas do Iguaçu”, “A Lenda da Vitória Régia”, “A Lenda da Mandioca” e “A Lenda de Taynacan”.

Estação Teatro - Santiago Morto
Condomínio Cultural, às 21h, 75 min, 12 anos
Inspirado em “Crônica De Uma Morte Anunciada”, de Gabriel García Márquez, “Santiago Morto” conta a história do assassinato de Santiago Nasar - uma tragédia anunciada e concretizada dentro de um povo frente ao acaso.

Cia Epifania - Iris
Espaço Maquinaria, às 21h, 50 min, 12 anos
A perda da visão, ou de outro sentido, não é simples. A reconquista da segurança e da autonomia é um processo delicado e necessário para que se dê continuidade às atividades diárias. Pensando nisso, a Cia Epifania trabalha com uma sequência de ações físicas que pesquisa a subtração da visão e a busca pela reconquista da confiança, e a realiza ao som da Sinfonia nº 1 de Gustav Mahler. Trata-se de uma apresentação de teatro-dança, e Café Müller, de Pina Bausch, é um dos espetáculos que inspiraram a Cia. no processo.

Penélope Cia. de Teatro - Penélope Vergueiro
Espaço Cia do Feijão, às 21h
O espetáculo Penélope Vergueiro é inspirado num fato presenciado na Rua Vergueiro, em 2005: um carro colide com outro inúmeras vezes e tenta atropelar o motorista quando esse tenta fugir. Num dos carros a esposa, noutro o marido e a amante. A 1h11, quando o sinal estava vermelho.

Estúdio da Cena - Odisséia
Galpão do Folias, às 21h, 100 min, 16 anos
Uma versão contemporânea da famosa saga de Odisseu, herói que venceu a guerra de Tróia, enfatizando sua perplexidade ao voltar para Ítaca, sua terra natal.

Cia Pessoal do Faroeste - Borboleta Azul
Espaço Pessoal do Faroeste, às 21h, 16 anos, 60 min
Uma novela de suspense inspirada num trecho da obra O Estrangeiro de A. Camus e ambientada num Brasil rural que será tragado por uma represa, buscando paralelos com temas atuais, como Belo Monte.

Cia Balagan - Prometheus
SP Escola de Teatro, às 21h30, 75 min, 14 anos
Em Prometheus – a tragédia do fogo as vozes dos atores-narradores, das personagens do mito e do coro se sobrepõem e se articulam no relato dos diversos eventos que compõem o mito prometéico – a criação do homem, a separação dos deuses e dos homens, do homem e da natureza, dos irmãos Prometeu/Epimeteu, o roubo do fogo, a condenação do titã ao Cáucaso, entre outros.

Cia da Revista - Kabarett
Miniteatro, às 23h59, 16 anos, 60 min
Em uma noite aparentemente normal, em um cabaré na cidade de Berlim dos anos 40, durante a Segunda Guerra, a Mestre de Cerimônias Georgette e suas coristas recebem o público sob a vigilância da Gestapo (polícia secreta do estado nazista). A alegria do lugar disfarça o movimento de resistência. O espectador é estimulado a participar, através do diálogo estabelecido com os atores. A protagonista é a travesti e Mestre de Cerimônias, Georgette. Os demais personagens transitam em torno dela e conduzem a fábula.


Dia 24 de novembro

Grupo Redimunho de Investigação Teatral - Cortejo da Memória – (Ônibus Biblioteca)
Jardim Vera Cruz, 14h, 50 min, Livre
O cortejo mostra a trajetória de uma trupe mambembe que, na sina de trocar sua arte por pouso e comida, percorre os “Brasis”, deixando, por onde passa o rastro das histórias de cada lugar. Um palco de proximidades, no qual as janelas podem ser abertas ou fechadas, e o que ali acontece pertence ao nosso tempo particular, ao nosso infinito íntimo.

Núcleo do 184 - O Laço cor-de-rosa
Teatro Studio 184, às 15h, 50 min, Livre
A história de uma menina, seu avô Heitor e uma cachorra encantada Mila. Nina vai passar uns dias na casa do avô e descobre fascinada que a cachorra é na verdade Matilde que foi encantada pela bruxa Rosbifia. Imaginação, doçura e poesia.

Les Commendiens Tropicales - Ver [] Ter
Oficina Oswald de Andrade, às 17h, 60 min, Livre
Seis atores e dois músicos se embrenham no espaço público para comungar novos olhares com os espectadores (espontâneos ou não) sobre as possibilidades de criar sentidos a partir de velhas histórias e imagens. Convida o público a participar como co-autor de uma história coletiva e própria, ao mesmo tempo, sem passado e com porvir.

Teatro Popular União e Olho Vivo - A cobra vai fumar
Teatro Popular União e Olho Vivo, às 17h, 70 min, 14 anos
Espetáculo que trata da trajetória da F.E.B. – Força Expedicionária Brasileira, durante a campanha da Itália na Segunda Guerra Mundial, entre 1944/1945. A ida de soldados brasileiros para lutar na Europa, as implicações políticas e sociais que nortearam essa viagem, retratando o brado de revolta contra todas as injustiças e contra todas as guerras. Como em todos os seus espetáculos, o homem do povo será sujeito da ação e não mero objeto.

Cia Paidéia de Teatro - O Boi e o Burro
Espaço Paidéia, às 17h, Livre
Numa noite fria de inverno, num estábulo em Belém. Um boi, sacudindo o frio do corpo, retorna alegre ao seu estábulo quentinho, para comer o seu merecido jantar quando descobre um corpo estranho em sua manjedoura. O que será? Assim começa a peça, que, com a chegada do burro, conta com muito humor uma história conhecida, porém de um ponto de vista bem diferente: sob a ótica de um boi e um burro.

Trupe Sinhá Zózima - Cordel do Amor sem fim
Espaço Redimunho, às 17h e 19h, 50 min, 12 anos
O espetáculo narra estórias do universo interiorano. O ir e vir das águas do velho rio São Francisco envolve a vida dos personagens: Teresa, Antônio, Carminha, Madalena e José percorrem as margens do rio, tecendo um trajeto encantatório, como se movimentassem a própria vida no ônibus, onde a peça é encenada.

Cia Vacivu de Artes - Clara em Neve
Espaço XIX de Teatro, às 18h, 60 min, 10 anos
Clara em Neve é um convite a refletir sobre o significado da vida e suas insignificantes certezas. O espetáculo narra a história de Ana, uma senhora de 65 anos, portadora de Alzheimer. Ao receber a visita do público revive suas histórias e momentos. A peça se passa em uma cozinha. Neste espaço vestígios da doença começam a aparecer, Ana resolve fazer um bolo para as 'visitas' e enquanto mistura os ingredientes, mistura os fatos, as pessoas e os acontecimentos.

Cia Agata de Arte - A Vida é sonho
Espaço Redimunho, às 18h, 75 min, Livre
Inspirada na obra de Calderón de la Barca (Clássico da dramaturgia española), diante da profecia de que o príncipe Segismundo seria um grande tirano, caso chegasse ao trono, seu pai, o Rei Basílio, decide mantê-lo cativo em uma prisão nas montanhas. Arrependido desta atitude, decide libertá-lo e testá-lo no poder para comprovar a veracidade desta profecia.

Grupo Teatral Parlendas - Marruá
Espaço Dolores CDC, às 18h, 60 min, Livre
Quais são as linhas que demarcam um território? Que traçados determinam uma nação? O que nos torna povo de algum lugar? A pobreza respeita fronteiras? E a resistência? Marruá é uma expressão utilizada pelos peões do centro-oeste do Brasil, para designar um touro que se desgarra do rebanho, fugindo para as matas e se tornando selvagem e bravo (alongado), pois passa da época de ser abatido.

Engenho Teatral - Opereta de botequim
Espaço Engenho Teatral, às 19h, 70 min, Livre
Misto de show musical e teatro, totalmente autoral, alinha músicas, cenas, comentários, poesias, piadas, em torno de uma questão central: a identidade do indivíduo pautada por uma sociedade do trabalho, ou antes, do emprego. O Engenho quer fazer o público rir e se divertir com a própria desgraça: por trás de cada um de nós, de cada experiência individual, existe uma história de massacre construída sobre a escravidão de séculos e a exploração através do emprego - que todos querem, mas que inferniza a vida de qualquer um. Opereta de Botequim não tem o menor pudor em tratar tudo sem a menor cerimônia, de forma debochada, irônica, descontraída e… extremamente séria. Afinal, divertir é coisa bem diferente de distrair.

Cia Antropofágica - Terror e Mistério no Novo Mundo - Parte III
Espaço Pyndorama, às 20h
Comandada pelo diretor Thiago Reis Vasconcelos, a peça resgata emoções, comportamentos e relações de poder na época do Brasil Colonial e faz paralelo com o momento atual do país. Depoimentos de pessoas que andam pelo metrô Paraíso foram colhidos e são adicionados durante a apresentação.

Grupo Arte Simples - Arte Simples conta Tchékhov
Espaço XIX de Teatro, às 20h, 90 min, Livre
O personagem Tchékhov esta no céu e descobre que um grupo de teatro está ensaiando uma de suas peças. Curioso, Tchékhov quer descer a Terra para ajudá-las. Procura o CCB (Consulado Celestial Brasileiro) e é atendido pelo Anjo Marcelo que convencido o ajuda, mas o que Tchekhov não imaginava é que ao invés deles descer em São Paulo ele acaba caindo no interior do Maranhão.

Coletivo Dolores - Insônias de Antonio
Espaço Dolores CDC, às 20h, 60 min, 14 anos
O arquiteto Antônio participa do projeto de um grande empreendimento, mas não pelo lado da construção, e sim pelo da destruição: seu conhecimento urbanístico serve aos interesses da Corporação para remover uma favela do local onde se construirá o condomínio. Isso o faz remoer, em momentos de insônia, toda a trajetória que o levou a essa condição.

Desabafo Coletivo - Desabafo
Espaço Redimunho, às 20h, 180 min, 16 anos
Baseado no monomito do herói segundo Joseph Campbell, Desabafo conduz seus participantes por um caminho iniciático, fruto da combinação de suas escolhas ao longo do espetáculo. Entretecendo arquétipos femininos com sua história pessoal, as artistas criam um jogo que convida a todos para uma viagem interior compartilhada através de depoimentos. Os participantes são envolvidos sensorialmente pela ambientação, por sabores e aromas e pela música, formando um corpo único. Após o jogo é servido um jantar que celebra o final de mais uma jornada.

Cia Fraternal de Artes e Malasartes - Sacrafolia
Unesp - Teatro Reynuncio Lima, às 20h, 75 min, Livre
Perseguida por Herodes e seus soldados, a Sagrada Família se perde em sua fuga para o Egito e acaba chegando ao Brasil, onde se vê obrigada a aceitar a ajuda de dois tipos populares, João Teité e Matias Cão.

Núcleo Uirapuru Visível - Ohio Improntu Beckett (Leitura Dramática)
Teatro Studio 184, às 20h, 50 min, Livre
Trata-se de uma investigação em torno da obra dramática do autor irlandês Samuel Beckett, através do texto “OHIO IMPROMPTU”. O projeto presta uma homenagem ao grande dramaturgo que ocupa, sem dúvida nenhuma, lugar centralizador nas artes cênicas e na contemporaneidade dramatúrgica. Uma leitura da belíssima narrativa ou fabulação do texto. A linha de ação será os minimalismos dos gestos e da ação física dos intérpretes criadores, através de uma partitura física construída por fatores do movimento como tempo / pausa/ numa dinâmica muitas vezes em estado de suspensão.

Teatro Documentário - As coisas só são coisas porque sozinhas elas não mudam de lugar
Espaço Teatro Documentário, às 20h

Estúdio da Cena - Odisseia de Homero
Galpão do Folias, às 21h, 100 min, 16 anos
Uma versão contemporânea da famosa saga de Odisseu, herói que venceu a guerra de Tróia, enfatizando sua perplexidade ao voltar para Ítaca, sua terra natal.

Teatro do Incêndio - São Paulo Surrealista 2: A Poesia Feita Espuma
Madame, às 21h, 70 min, 18 anos
Um espetáculo regado pelo humor dos absurdos religiosos e pela poesia seca do submundo da capital. Tudo em um universo onírico que retrata uma cidade possível de ser vista a olhos nus, somente pela visão mística e/ou mítica de suas esquinas e cidadãos.

Cia da Revista - Cabeça de Papelão
Miniteatro, às 21h, 16 anos, 70 min
Antenor é um cidadão do País do Sol discriminado por seus compatriotas. Os motivos da discriminação são os fatos de ele falar a verdade e pensar livremente. Destoante do resto da população, o pensador se viu alijado do convívio social e do trabalho, recebendo constantes conselhos de que ajeitasse sua má cabeça, visto que não se enquadrava no bom senso pregado pela sua sociedade. Ao conhecer Maria Antônia, Antenor descobre a paixão e desatinado decide mudar sua cabeça, a pedido da moça. Afortunadamente (ou infortunadamente) depara-se com uma relojoaria e lá descobre que pode deixar sua cabeça para conserto, recebendo em troca uma cabeça de papelão, fabricadas em série.

Cia Balagan - Recusa
SP Escola de Teatro, às 21h30, 80 min, Livre
O espetáculo é narrado, cantado, por dois olhares e seus múltiplos: dois índios Piripkura; dois heróis ameríndios, Pud e Pudleré, criadores dos seres; um padre que foi engolido por uma onça que resolveu morar dentro de um lugar inesperado; um fazendeiro que matou um índio e o mesmo índio que o matou, por uma cantora que se perde na mata, por Macunaíma e seu irmão, os heróis dos Taurepang, e outros tantos.

Núcleo Teatral III Sinal - Amanhã é Natal
Teatro Studio 184, às 23h59m, 12 anos, 60 min
Edgar e Cecília estão ansiosos nos preparativos da ceia de Natal. Para ela, é uma forma de rever os filhos. Para ele, é a oportunidade de oficializar a união com Cecília – ambos vêm de uma viuvez.

Cia Insurgente - O preço da Inutilidade (Experimento)
Espaço Redimunho, às 24h, 25 min, Livre
Experimento cênico da Cia Insurgente que tem como referências o assassinato do operário metalúrgico Manuel Fiel Filho em 1976 e um fragmento de um prólogo inconcluso de Vianinha para o texto “Rasga coração”. A partir desses argumentos a Companhia busca aproximação com a gratuidade na construção cênica como contraponto à complexidade da luta política, fazendo com que a encenação se transforme num conjunto de ações “inúteis” tais como tentar mudar o passado, fazer bolas de sabão, traduzir expressões em latin, cantar para si mesmo, confeccionar sapos de papel, declamar poemas e equilibrar vassouras.

Grupo Hangar de Elefantes - Terra à vista
Coreto Central da Praça Dom Orione (Procure pelos Corretores de Plantão) - Vila de Itororó, às 18h, duração 120 min, livre
Peça itinerante e participativa leva o púbico pela Bela Vista colocando em reflexão as lutas por moradia no contexto urbano das grandes cidades e proporcionando uma viagem pelo purgatório de Dante quando um grupo de indivíduos desafia a falsa elevação pregada pela chegada da “Luz”.

Grupo XIX de Teatro - Higyene
Espaço XIX, às 17h, 14 anos, 80 min
Encenada à luz do dia, originalmente, nos prédios históricos da Vila Operária Maria Zélia (1917), a peça é baseada em uma pesquisa sobre o processo de higienização urbana no Brasil do fim do século XIX, onde um grande contingente de culturas e ideias dividem o mesmo teto - o cortiço. E desse caldeirão de misturas surgem os embriões de importantes manifestações de nossa identidade, assim como as desigualdades sociais que marcam profundamente os nossos dilemas atuais.

Cia de Teatro Encena - Jingobel
Espaço Cultural Encena, às 20h30, 55 min, 14 anos
Elisa mora com sua mãe inválida. Na noite de natal se descobre sozinha. Mas o inusitado acontece, duas mulheres batem a sua porta. A primeira é Vanusa, jovem homossexual orgulhosa da sua opção, porém afetivamente carente. A segunda é Teresa, evangélica fervorosa, fanática e solitária que sai para evangelizar em plena noite de Natal. Elisa armada com peru, vinho, desespero e um revolver prende as duas em seu apartamento. No decorrer da noite essas mulheres infelizes estabelecem uma relação de amor e ódio, rejeição e amizade além de proporcionar ao público boas risadas decorrentes da situação absurda em que elas se encontram.

Trupe Artemanha - O Homem que virou suco
Largo de Santa Cecília, às 11h, 80 min
Um homem que sai de sua terra, Vila Defunto no sertão cearense, percorrendo todos os lugares do imaginário popular, fazendo suas estripulias, bagunçando a ordem constituída, defendendo sua origem, caminhando com seus pés rachados pelas terras secas. Lugares secos que são regados pelos coloridos das chitas, dos cortejos dos mestres brincantes, pelas peregrinações dos reisados com suas caretas labutando em campos férteis de cantos, danças, em entremeios, criando sua saga, sua rapsódia de manifestações pertencentes dos saberes e práticas coletivas.

Cia Teatral As Graças - Nas Rodas do Coração
Parque da Luz, às 15h
Nas Rodas do Coração é uma comédia musical que conta a história de uma companhia de teatro mambembe que apresenta seu repertório pelas ruas da cidade de São Paulo. Enquanto a peça está sendo encenada, as atrizes descobrem as falcatruas da dona da companhia e tentam, nos bastidores, desmascarar os golpes da vilã. O espetáculo é inspirado nos sambas de Adoniran Barbosa e na estrutura do melodrama, sendo encenado em cima de um ônibus teatro itinerante.

Grupo Teatral Bico de Lata - Passagem Funda - Histórias de barro e estrelas
Espaço Cultural Cita, às 16h
Todas as noites, Tatiana, uma jovem moradora da periferia de uma grande cidade percorre um longo trajeto da escola para casa. Cansada por uma rotina de trabalho e estudos e questionada sobre os caminhos que sua vida tem tomado, a jovem dorme profundamente dentro do ônibus. Começa a sonhar, chega uma trupe de artistas brincantes que a levam por uma viagem pelo passado de seu bairro. Desde a época em que tudo era apenas mato onde viviam seres mágicos, até a chegada dos retirantes – um povo ávido por construir uma nova vida, passando por situações cotidianas vividas pelos moradores. As histórias contadas pelos brincantes revelam os conflitos e esperanças de um lugar cuja memória se mistura a própria vida de Tatiana.

Cia Dois na Mala – Uma jornada de João e Maria
Espaço Dolores CDC, às 16h
Duas crianças de uma pequena vila do sertão, João e Maria, um dia ouvem uma conversa dos pais acerca do que deveriam fazer diante da falta de comida. A escolha dos pais em abandonar as crianças, na esperança de que tivessem uma melhor sorte em outro lar, leva João e Maria a entrarem em uma jornada cheia de desafios, inimigos e aliados, que os obrigará a fazerem suas próprias escolhas.

Arlequins - Os Filhos da Dita
Espaço Cia do Feijão, às 21h, 12 anos, 65 min
O espetáculo narra a situação político/social do Brasil no período que antecedeu o golpe de 1964, o ambiente político no qual foi gestado, as circunstâncias como foi imposto e as consequências que ainda são sofridas nos dias de hoje, assim busca desvendar as mazelas da ditadura, com um olhar contemporâneo sobre o Golpe Militar de 1964, na tentativa de iluminar os acontecimentos decorrentes dessa história recente. Recuperando elementos da biografia de uma geração para descobrir uma poesia que conta a história do seu tempo, ao contar a história do homem nela.

Grupo Sobrevento - Meu Jardim
Espaço Sobrevento, às 11h, 6 meses a 3 anos, 45 min
Entediado, em meio a um deserto, um viajante decide criar um jardim. Mas como fazê-lo? A partir do texto da autora belga de origem iraniana Mandana Sadat, o Grupo Sobrevento compõe um espetáculo que fala de esperança, de sonho, do desejo e da possibilidade de transformar o mundo, em uma paisagem que poderia ser o Irã, como poderia ser o Brasil. A montagem utiliza elementos visuais e sonoros próprios da cultura brasileira, que a aproximam da cultura iraniana e que, curiosamente, parecerá familiar a cidadãos de todo o mundo.

Invasores Cia Experimental - Precursora das Ideias
Espaço Redimunho, às 16h, 50 min, Livre
Baseado na mitologia africana" Makonde" de Moçambique e inspirado na obra “Mitológicas I - O cru e o Cozido” de Levi Strauss, o espetáculo apresenta as personagens "Senhora Contadora de Histórias", "Escultura" e "Menina Noite", para, através destas, fazer uma leitura à reconfiguração social apresentada a partir da diáspora africana. A poética do espetáculo prima pelos sentidos. A imagética contribui para a valorização da peça. Os elementos da natureza como o vento/ar, o fogo, a chuva/água e a terra têm forte relevância no desenvolvimento do espetáculo.

Alberto Santos - Homo Ex Machina
NPC Fábrica, às 20h30

Foto por: DIVULGAÇÃO
São Paulo Cidade: São Paulo - SP Preço: Grátis Endereço: Centro - São Paulo

TAGS:

Relacionados

Shows 5

Teatro 5

Oficinas 5

matérias 5